Terceira Semana: ADORAÇÃO

Nesta semana, propomos a Adoração como fonte de alegria. Adorar a Deus é reconhecê-l’O como único Criador e Salvador, único Senhor de tudo quanto existe e Amor infinito e misericordioso (cf. CIC 2096). Adorar o Pai, em espírito e em verdade, significa orientar a vida toda para Ele. Adorar a Deus é reconhecê-l’O como a nossa verdadeira medida, cuja norma da verdade e do bem aceitamos seguir (cf. Bento XVI, Homilia, 21.08.2005). Nós, os cristãos, não adoramos as coisas (como a televisão, o computador ou o telemóvel) nem mesmo aquelas pessoas de quem gostamos muito. Só a Deus adoramos, quando O reconhecemos, como Aquele que deve ter em tudo o primeiro lugar. Uma das belas formas de adorar a Deus é participar na Eucaristia. Podemos ainda prolongar a nossa gratidão, louvando o Senhor, escondido e presente na hóstia consagrada. “Permanecer diante de Jesus, na Eucaristia, permite-nos beber na própria fonte da graça” (EE 25).


Segunda Semana: PALAVRA


Esta semana bebamos mais desta fonte da alegria, que é a Palavra de Deus (cf. EG 5). Somos desafiados a escutar mais atentamente a Palavra de Deus, meditando, por exemplo, as leituras que a Igreja nos propõe, para cada dia. É muito importante familiarizarmo-nos com a Palavra, para fazer crescer o amor na nossa família. E assim a nossa família tornar-se-á cada vez mais um Templo onde habita o Espírito Santo (cf. AL 29). Sigamos o exemplo da Virgem Maria. Ela soube ouvir a Palavra de Deus, de modo tão perfeito, que pôde dizer: “Eis a serva do Senhor, faça-se em Mim segundo a Vossa Palavra” (Lc 1,38). Saibamos escutá-la, para a anunciar e fazer frutificar em alegria.

Festa do Perdão: 3º ano de catequese

Vai decorrer no próximo sábado, dia 18 de março, a Festa do Perdão para as crianças que frequentam o 3º ano de catequese na paróquia de Nossa Senhora da Boavista.
A festa terá lugar das 10h00m às 15h00m.

Primeira Semana: CONVERSÃO


Na Quarta-Feira de Cinzas iniciámos o nosso caminho para a Páscoa. Queremos fazê-lo, sob a guia e a companhia de Maria. A Mãe do Senhor é o mais belo exemplo do discípulo que escuta fielmente a Palavra de Deus e se deixa transformar por ela. Com Maria, seguiremos os passos de Cristo, até à Sua entrega amorosa na Cruz. Ali encontramos, firme e de pé, a Mãe de Jesus (cf. Jo 19,26). Nesta 1.ª semana da Quaresma, queremos, com Maria, pormo-nos a caminho, pelas fontes da alegria. E a primeira fonte da alegria, de que somos desafiados a beber, é a conversão.

A Caminho, com Maria, pelas Fontes da Alegria!


“As grandes ânforas de pedra que Jesus manda encher de água para a transformar em vinho (cf. Jo 2,7) são sinal da passagem da antiga para a nova aliança: no lugar da água usada para a purificação ritual, recebemos o Sangue de Jesus, derramado de modo sacramental na Eucaristia e de maneira cruenta na Paixão e na Cruz. Os Sacramentos, que brotam do Mistério pascal, infundem em nós a força sobrenatural e permitem saborear a misericórdia infinita de Deus.”
(Papa Francisco, Angelus, 17.01.2016)


Vamos procurar ao longo das seis semanas da Quaresma aprofundar o significado dos símbolos batismais da água, da luz e da vida. Maria, Mãe de Jesus, tem um lugar insubstituível neste caminho. Sentimo-la presente em Caná da Galileia junto de Jesus e dos seus discípulos. Estará igualmente presente em todos os momentos da vida de Jesus e da vida da Igreja. As seis talhas de água das bodas de Caná aproximam-nos desse momento aí vivido por Maria e por Jesus (cf. Jo 2,1-11). E os cinquenta dias neste arco do tempo quase nos levam, instintivamente, às 50 contas no terço do rosário.